quinta-feira, 28 de novembro de 2013

A Corporação: uma crítica a quem Pratica o lucro sem escrúpulos

capa

  Cleverton Costa Silva 
Acadêmico de Direito/UFS

Pode-se dizer que A Corporação é um documentário notável e que diz a que veio: dar um choque de realidade nas pessoas iludidas pela desfaçatez conveniente das corporações, que divulgam uma boa imagem, mas escondem as mazelas provocadas pela sua busca sem escrúpulos pelos lucros, à moda Rubens Ricúpero, ex-Ministro da Fazenda brasileiro, que disse não ter escrúpulos, e que seria capaz de faturar em cima do que faz de bom, e esconder o que é ruim, como captado, em off, certa vez num estúdio jornalístico da Rede Globo (DINES, 2013).
 
Com foco central nas grandes organizações capitalistas, que conhecemos nas aulas de geografia como multinacionais e holdings, o documentário revela um panorama complexo e apresenta as corporações na visão de intelectuais, ativistas das mais diversas causas socioambientais, analistas de mercado e também representantes das próprias corporações. Ou seja, todos os lados são ouvidos e se mostram honestos nas suas análises.
 
Dentre os entrevistados, figuram Noam Chomsky, professor de filosofia e literatura no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, o famoso MIT; Michael Moore, o polêmico diretor de Fahrenheit 11/9, que explora pontos de vista muito incômodos sobre o combate ao terrorismo para os governantes estadunidenses; e a ativista Vandana Shiva, indiana de renome mundial atuante feminista pelas causas ambientais e a mobilização feminina.
 
As mais de duas horas e 25 minutos de vídeo, apresentadas inicialmente de uma forma mais leve e convidativa, ficam cada vez mais densas em análise e terminam com uma mensagem mais otimista, de que nem tudo está perdido. Quem assiste ao documentário comprometido em conhecer a fundo o tema pode assistir a toda a produção sem maiores problemas com o tempo de duração.
 
O tema é, de fato, instigante e aborda em conjunto as origens das corporações estadunidenses, a gênese da ideia de pessoa jurídica no ordenamento jurídico estadunidense, o perigo da irresponsabilidade do mercado financeiro, a estratégia geopolítica imperialista das corporações, as relações com governos despóticos, a corrupção dos governos em nome do lobby empresarial, como no caso do uso do Posilac pela Monsanto na Flórida e toda a luta nos tribunais que expôs as vísceras do grupo Fox, do jornalista Rupert Murdock, comparado pelo jornalista Paulo Henrique Amorim (2013) com Roberto Marinho, das organizações Globo aqui no Brasil. Os problemas ambientais são tocados de forma intermitente e envolvem biotecnologia, poluição, uso e abuso de recursos naturais como a água, entre outros.
 
Embora o documentário cause certo mal estar pela exposição de um tema tão polêmico, ele termina apontando uma saída viável: a de que a população está nas ruas protestando contra os movimentos de privatização, contra patentes ilegais como a do nim, revertida por parlamentares verdes europeus e movimentos de agricultores. E que por consequência algumas corporações pensam em adotar atitudes mais corretas diante da sociedade.
 
Outro ponto, talvez o mais marcante, fica por conta do paradoxo apontado por Michael Moore, de que seus documentários são uma crítica ao sistema capitalista, e às próprias corporações. Porém, de forma acrítica, grandes distribuidoras vendem os seus documentários. Não importa serem coerentes, o que importa é ter o lucro. Deve-se lembrar que Moore é realizador de Tiros em Columbine e Fahrenheit 11/9 (PORTAL DE CINEMA, 2013).
 
Quem só assistiu ao documentário recentemente, embora tenha certa noção dos movimentos ativistas e suas causas socioambientais, políticas, econômicas e outras bandeiras em nível mundial, reconhecerá nA Corporação uma das principais fontes que alimentam as causas dos manifestantes contra o capitalismo e o imperialismo. O Avaaz, grupo social que atua em inúmeras causas globais, muito bem articulado na internet, por exemplo, coleta assinaturas constantemente para integrar documentos formais com demandas à ONU, OMC, contra a Monsanto, contra o cerceamento da liberdade na internet, entre outras causas (AVAAZ.ORG, 2013). Muitas delas mostradas de forma indireta no documentário.
 
É uma tarefa difícil criticar algum aspecto negativo do documentário A Corporação. Talvez se possa apontar apenas a longa duração do filme, que o incapacita de ser aceito por todos os públicos. Como está longe do objetivo do documentário ser algo agradável, A Corporação fica ainda mais denso na hora final, onde os toques de humor já nem são notados como na hora inicial.
 
Nos aspectos positivos, pode-se dizer que A Corporação é uma aula de politização e uma terapia de desintoxicação contra os impulsos consumistas que dominam as pessoas e alimentam a usura das corporações. E o maior mérito é ouvir todos os lados, os capitalistas e os consumidores, todos concentrados num grande esforço de reflexão sobre o tema proposto. Nota-se nA Corporação que o documentário não tem a intenção de ser imparcial, mas ele não deixa de contemplar todos os lados na discussão. Quem assiste ao documentário não vai se arrepender.

Ficha Técnica:
Título Original: The Corporation.
Origem: Canadá, 2004.

Duração: 2:25:42
Direção: Jennifer Abbott e Mark Achbar.
Roteiro: Joel Bakan e Harold Crooks.
Produção: Mark Achbar e Bart Simpson.
Fotografia: Mark Achbar, Rolf Cutts, Jeff Koffman e Kirk Tougas.
Edição: Jennifer Abbott.
Música: Leonard J. Paul.


REFERÊNCIAS

AMORIM, Paulo H. Roberto Marinho e Nascimento Brito enterram o JB. Disponível em: http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2010/07/22/roberto-marinho-e-nascimento-brito-enterraram-o-jb/, acesso em: 07/08/2013, 22:25.
AVAAZ.ORG. Quem somos. Disponível em: http://www.avaaz.org/po/about.php, acesso em: 07/08/2013, 22:41.
CHOMSKY, Noam. Chomsky se solidariza com Occupy Wall Street. Disponível em: http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/chomsky-se-solidariza-com-o-ocupa-wall-street.html, acesso em: 07/08/2013, 22:00.
DINES, Alberto. Denuncismo e escandalismo já não colam. Disponível em: http://observatoriodaimprensa.com.br/news/showNews/iq021020021.htm, acesso em: 07/08/2013, 22:16.
PORTAL DE CINEMA. A corporação. Disponível em: http://www.portaldecinema.com.br/Filmes/a_corporacao.htm, acesso em: 26/7/2013, 22:35.
______. Michael Moore. Disponível em: http://www.adorocinema.com/personalidades/personalidade-12457/filmografia/, acesso em: 07/08/2013, 22:31.
WIKIPÉDIA. George W. Bush. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/George_W._Bush, acesso em: 07/08/2013, 21:34.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário sobre essa matéria.