quarta-feira, 24 de outubro de 2018

GREGÓRIO DE MATOS GUERRA EM SÃO CRISTÓVÃO (1693)



Thiago Fragata*

A literatura barroca do século XVII tem Gregório de Matos Guerra (1636/1695) como representante na seara da poesia. O artista baiano gerou polêmica com sua produção, dessa forma foi mais odiado que amado por todos que faziam a sociedade, especialmente os representantes da igreja e do Estado. O “Boca do Inferno”, como apelidado pelos desafetos, foi excomungado, exilado, enfim, perseguido em razão das ofensas e/ou atitudes. Ele esteve em São Cristóvão, “a Cidade de Sergipe D'El Rey”, por volta de 1693, antes de viajar para o degredo na África. Foi no trabalho do historiador Luiz Mott, intitulado “três sonetos seiscentistas”, que tomei conhecimento dos versos satíricos que Gregório de Matos Guerra dedicou a urbe sergipana. (CONTINUA)

Artigo completo no Jornal Tribuna Sergipe Del Rey, edição de outubro. 

Assine com Edcarla Soraia, mande email: edsoraia@gmail.com

Já foram publicados:
JORGE AMADO EM SÃO CRISTÓVÃO
SAVAGET EM SÃO CRISTÓVÃO
IRMÃ DULCE EM SÃO CRISTÓVÃO
D. PEDRO II EM SÃO CRISTÓVÃO
CÂMARA CASCUDO EM SÃO CRISTÓVÃO


OBS: você pode receber qualquer texto em PDF mediante pagamento de taxa de serviço R$ 30,00. Mande recibo para e-mail: thiagofragata@gmail.com  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário sobre essa matéria.