terça-feira, 21 de junho de 2011

A vida simples da extraordinária Irmã Dulce

Memorial de Irmã Dulce, São Cristóvão. Foto: Grazielle Santos

Beatificada no último dia 22 de maio, Maria Rita de Souza Brito Lopes, ou simplesmente Irmã Dulce, está mais próxima agora de se tornar santa. Para isto basta que se reconheça mais um milagre considerado de sua interferência.

A baiana nascida em Salvador no dia 26 de maio de 1914 dedicou a vida a causa dos mais pobres. Aos 13 anos, já começou a manifestar seu desejo de entrar na vida religiosa, que foi concretizado aos 18 anos, no início de 1933. Foi a responsável por colégios, hospitais, e uma das mais importantes instituições filantrópicas do país, onde assistiu os mais necessitados. O Anjo Bom da Bahia, como era chamada pelo povo, recebeu duas visitas do papa João Paulo II, sendo a segunda em 1991, quando já bastante enferma, cinco meses antes de morrer.

Em sua homenagem, o Convento de Nossa Senhora do Carmo, na pequena cidade de São Cristóvão, em Sergipe, onde ela foi ordenada, mantém um Centro de Memória dedicado a Irmã Dulce. Visitamos o lugar e fizemos fotos para mostrar o lugar onde a “Mãe dos pobres” viveu no início de sua trajetória religiosa.

FONTE: http://www.revistadehistoria.com.br/secao/reportagem/a-vida-simples-da-extraordinaria-irma-dulce

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário sobre essa matéria.