sábado, 28 de janeiro de 2012

VII RODA DE LEITURA DE SÃO CRISTÓVÃO: CARNAVAL



Realizou-se na manhã de quinta, 26/1, a VII Roda de Leitura de São Cristóvão que tematizou o Carnaval. O convidado desta edição foi Jorge do Estandarte que falou dos antigos carnavais da sua juventude na quarta cidade mais antiga do Brasil e da sua experiência nas escolas de samba do Rio de Janeiro.

Revezaram-se na leitura de Eliene Marcelo, diretora do Posto de Informação do Turista; Maria Gloria, diretora da Casa do Folclore Zeca de Noberto; Rose Mary Barbosa, diretora da Biblioteca Municipal Lourival Baptista, e Thiago Fragata, diretor do Museu Histórico de Sergipe. Tendo como público aos alunos do Pró-Jovem acompanhados dos professores-oficineros Edivanilson e Ricardo o evento começou com uma leitura introdutória de Eliene Marcelo sobre a antiga brincadeira do Entrudo que originou o Carnaval. Destaque para a performance da contadora que cantou a marchinha de Lamartine Babo "O seu cabelo não nega". Rose Mary executou leitura sobre os carros alegóricos. Maria Gloria leu as memórias de Serafim Santiago, condensadas na obra "Anuário Christovense" (2009), sobre o jogo do Entrudo em São Cristóvão, quando a cidade era ainda Capital da Província de Sergipe. Finalizando, Thiago Fragata falou da peça teatral “Dracolindo: o vampiro que não queria contrair AIDS”, motivada pela importância de falar de sexo seguro para os estudantes e foliões de maneira geral. Em seguida o historiador virou ator e usou do cenário e figurino para fazer sua interpretação. 

Segue textos e imagens da VII Roda de Leitura de São Cristóvão: 

CARNAVAL DE RUA: ENTRUDO 

Maria Aparecida Urbano[1]

De origem portuguesa, vindo de regiões como a Ilha da Madeira, dos Açores e Cabo Verde, o Entrudo chegou ao Brasil com os colonizadores, sendo brincado ou jogado desde 1600. Era chamado de “jogo” e consistia numa brincadeira na qual toda a família brincava participava, juntamente com os amigos, vizinhos, empregados e escravos. 

A princípio o entrudo foi uma brincadeira grotesca, em que as pessoas se divertiam, escondendo-se, procurando jogar baldes de água em transeuntes distraídos. Usavam-se também vassouradas e pancadas de colher de pau, além de ovos, pó-de-mico, alvaiade, farinha e vermelhão que, além de molhar as pessoas, as deixavam imundas. Muito usado era o “limão-de-cheiro”, feito de fina camada de cera, em forma de limão, laranja, banana ou outra fruta. Dentro dessas frutas se colocava água-de-cheiro ou água tingida com vermelhão. Os mais malvados colocavam água suja. 

Com o passar dos anos, essa brincadeira foi se tornando mais refinada, mais elegante, principalmente pela camada mais elevada da sociedade. 

Os preparativos para a festa do Entrudo davam-se dois meses antes da Quaresma, participando dele todos os membros da família. As mulheres, principalmente as sinhás-moças, juntamente com suas escravas, se encarregavam da produção dos limões-de-cheiro. 

Aos homens era atribuída a tarefa de obter a cera para a confecção dos limões-de-cheiro, material escasso na época por causa do grande uso. Essa fabricação tão artesanal cresceu ao ponto de muitas famílias de classe média e as mais pobres conseguirem uma renda extra nesse período de festas, vendendo em suas próprias casas os limões e laranjinhas de cera, cheias de água perfumada. 

A brincadeira do Entrudo acontecia nos três dias de Carnaval por volta das quatro ou cinco horas da tarde, quando as famílias amigas se visitavam para “jogar o Entrudo” que era realizado nos salões dos sobrados ou nas amplas casas térreas. Eram travadas verdadeiras “batalhas aquáticas” de limão-de-cheiro, terminando o encontro pelas vizinhanças. 

À noite a brincadeira continuava nos teatros, nos camarotes ou entre a platéia e os camarotes. O mais interessante é que não se têm notícias se essa brincadeira era ou não acompanhada de qualquer tipo de música ou ritmo. 

Esse entusiasmo geral que chegou a contagiar até nossos imperadores, não impediu que o Entrudo sofresse perseguições. Como uma brincadeira grotesca, provocou por diversas vezes brigas, desabonando o nome do Brasil perante os estrangeiros que nos visitavam, vindo a ser proibido por causa disso. 

Apesar da proibição, o “jogo do Entrudo” perdurou por muitos anos, só começando a declinar com o surgimento dos desfiles das sociedades carnavalescas. 

Mas como o Carnaval é eterno, provavelmente nada é esquecido completamente. Ainda nos dias de hoje encontramos esse velho costume entre as crianças e jovens que brincam com bisnagas plásticas cheias de água, que nem sempre é água limpa, espirrando nas pessoas que passam. 

ENTRUDO EM SÃO CRISTÓVÃO 

Serafim Santiago[2] 

Estas festas que outrora se chamavam Entrudo, hoje tem o nome de Carnaval, época do prazer, que não podia deixar de ter também os seus dias consagrados. A Mitologia criou uma boa porção de deuses, especializando Momo, o deus da sátira e do riso, que, desprezando todas as desgraças e tristezas, veio se confundir em meio da bacanal encarnada nesse outro deus – Baco – que representa o vinho, a loucura fantástica, enfim. As festividades obscenas de Roma, as saturnais, festas de uma torpeza inominável, consagradas ao culto de Saturno, deixaram no mundo romano as mais asquerosas tradições porque emblemavam o cúmulo da fraqueza humana, as paixões mais vergonhosas e instintos mais aproximados da bestialidade. Quanto ao Entrudo, este estúpido divertimento ali usado por longos anos, sua origem vem da falsidade, traição e emboscadas. Contudo, os cristovenses tornavam-se loucos com tal divertimento, por não ser ali conhecido o Carnaval, este que o povo atualmente abraça cegamente para esquecer as contrariedades da vida, procurar nos “evoés e você me conhece?” o esquecimento dos atrasos comerciais, dos abalos morais, etc. Em São Cristóvão o atraente divertimento do Entrudo no Domingo Gordo ou Quinquagésima, há longos anos passados, chegou sua influência até o Palácio Presidencial. Tivemos na antiga cidade, um Presidente tão influído, que no referido Domingo do Entrudo, recebia os amigos e correligionários com a mesma franqueza e amabilidade do costume, usando com toda a sinceridade, a falsidade que exige o falso e traidor divertimento, mandando agarrar os amigos e visitantes, vestidos decentemente, e mergulhava numa grande bacia cheia d’água bem perfumada que se achava oculta. Esta narração ouvi repetidas vezes pelo meu velho amigo Apolinário José Moura. De muitas mortes até ainda hoje me recorda, todas as conseqüências do mal entendido divertimento, assim como muitas desconfianças de amizades de famílias cristovenses. Até o ano de 1912, não era usado o carnaval em São Cristóvão, sendo que no referido ano, este festejo foi feito ali com verdadeiro esmero e grande entusiasmo. Como em tempo remoto era muito respeitada a religião do Calvário, o estúpido divertimento (o Entrudo) só terminava por completo, às 8 horas da noite de terça-feira de Entrudo, quando ouvia-se dobrar o sonoro e grande sino de São Francisco, anunciando aos fiéis a entrada da quaresma no dia seguinte (Quarta-feira de Cinzas). 

CARROS ALEGÓRICOS

Maria Aparecida Urbano[3] 
Não se contentando somente com o divertimento dos salões, as famílias queriam ir às ruas para acompanhar os festejos carnavalescos. Para tanto foi criado um desfile de carros alegóricos levando pessoas fantasiadas. A princípio foi chamado de “Passeata” ou Promenade e mais tarde “Préstito”, que saía no sábado de Carnaval, com grande participação do público, incluindo até os membros da família Real e da Corte. 

Os carros alegóricos são uma reminiscência dos carrus navalis, que traziam Dionísio para as ilhas gregas, quando da celebração das festas dionisíacas. Durante o Renascimento os carros receberam o nome de “triunfos”, homenageando os heróis, reis e pessoas importantes. A eles se associavam as batalhas de bolinhas feitas de massa de farinha colorida (era uma espécie de confete da época). Para brincar nessas batalhas, era necessário o uso de máscaras feitas de tela de arame para proteção do rosto. As festas eram acompanhadas de músicas, executadas por trombetas (instrumentos que eram usados durante as batalhas do Império Romano). 

No Rio de Janeiro, em 1855, foi criada a Sociedade das Sumidades Carnavalescas pelo romancista José de Alencar, junto com uma comissão, trazendo da Europa a idéia dos desfiles de carros alegóricos, para que as “moças de família” pudessem também brincar na rua. 

O primeiro préstito dessa sociedade deu-se em 1856, com absoluto sucesso. Tomavam parte do desfile estudantes, jornalistas, homens de letras, altos funcionários do comércio.

As sociedades carnavalescas foram se desenvolvendo a tal ponto que no Carnaval de 1896 desfilaram pela cidade do Rio várias delas, entre as quais, os Fenianos, os Democráticos, o Grupo Promptos, os Girondinos e os Tenentes do Diabo. Eram sempre acompanhadas de inúmeros carros alegóricos. Quando uma sociedade, como, por exemplo, os Fenianos, apresentavam vinte ou mais carros, as demais, por sua vez, não ficavam atrás. As famílias atiravam flores das janelas de suas casas e ofereciam coroas de louro como homenagem e premiação às sociedades que mais as agradavam. 

As sociedades disputavam entre si o reconhecimento do público no sentido de luxo, criatividade e grandiosidade. A manutenção das sociedades carnavalescas provinha do jogo de roleta e carteado, realizado durante o ano em suas sedes. A partir de 1915 dá-se o início do processo de decadência dessas sociedades, em virtude de a polícia carioca fazer uma forte campanha contra o jogo e a prostituição. Entretanto, muitas delas subsistiram e subsistem ainda com grandes dificuldades. 

Em São Paulo, os primeiros carros alegóricos de que se tem notícias nasceram nos desfiles do centro da cidade entre as ruas Direita, São Bento e 15 de Novembro. Mais tarde, na Avenida Paulista, foram realizados também corsos, onde, além dos automóveis e pequenas caminhonetes muito bem ornamentados, havia ainda carros alegóricos, tornando-se mesmo motivo de atração. 

Desde o primeiro Carnaval ocorrido no bairro do Brás em 1906, a animação carnavalesca era muito grande. Pelas avenidas Celso Garcia e Rangel Pestana, desfilavam carros alegóricos, charretes, automóveis enfeitados, caminhonetes e caminhões. 

Dessa mesma forma, outros bairros, como a Lapa, Água Branca, Belém, Penha e Vila Maltide, foram criando os seus desfiles, cuja maior atração eram os carros alegóricos. A Lapa, por exemplo, foi o bairro pioneiro em apresentação de carros alegóricos montados sobre carroceria de caminhão. Em todos esses bairros houve épocas de glórias para tão deslumbrante desfile. As alegorias eram geralmente feitas por clubes sociais, sendo até criados concursos e premiações para os melhores carros alegóricos de cada bairro.

Nas primeiras décadas do século XX, eles serviam para levar os foliões e suas famílias para se divertirem. Com o crescimento exorbitante e rápido da cidade e dos bairros, esses desfiles com carros alegóricos acabaram desaparecendo, ressurgindo, porém, décadas mais tarde de maneira diferente. Nessas últimas décadas do século XX, eles passaram a enfeitar e complementar os enredos dos desfiles das Escolas de Samba, sendo somente motivo de admiração e não de participação do povo em geral. 

Pode-se dizer que, desde o início dos séculos até hoje, o maior espetáculo que é exibido no Carnaval em todo o mundo são os carros alegóricos.

GALERIA DE IMAGENS
Jorge do Estandarte faz depoimento sobre sua vida de carnavalesco


Panorâmica da Roda

Rose Mary faz leitura dos carros alegóricos


Maria Gloria faz leitura do antigo Entrudo de São Cristóvão


Eliene Marcelo faz leitura da origem do Entrudo



Eliene Marcelo interpreta marchina "O seu cabelo não nega", de Lamartine Babo

Thiago Fragata interpreta "Dracolindo: o vampiro que não queria contrair AIDS"


quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

SEMINÁRIO CONSCIÊNCIA NEGRA: SUPERANDO PRECONCEITOS


Bloco de Carnaval “Estou com Ela” organiza o Seminário “Consciência Negra: superando preconceitos” para debater o racismo e a homofobia, mazelas presentes em nossa sociedade. Vai acontecer no Espaço Audry’Brus, na Praça da Bandeira, quinta, 16/2, a partir das 13:30 horas. Palestras com Martha Salles e Andrey Roosewelt e apresentações culturais.





quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

VII RODA DE LEITURA: CARNAVAL DO BRASIL

Jorge do Estandarte, antigo folião do Carnaval de São Cristóvão



A VII Roda de Leitura de São Cristóvão vai tematizar o Carnaval do Brasil. A matinê de leituras acontecerá na Biblioteca Pública Municipal Lourival Baptista, na Praça São Francisco, no dia 26/1, às 9 horas, com textos e intervenções sobre aspectos do Carnaval, inclusive o que acontece em São Cristóvão. Jorge do Estandarte, um dos grandes representantes do carnaval sancristovense, será o convidado especial. Os contadores Eliene Marcelo, Maria Rita, Maria Gloria, Rose Mary e Thiago Fragata convidam a todos(as)!

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

ENTREVISTA VEICULADA NA REVISTA IMPRESSÕES

Thiago Fragata recebe "Troféu Cidade Histórica" das mãos do jornalista Carlos Cardoso



Foto: Gladston Barroso



Integra da entrevista concedida para Ramon Diego, editor da Revista Impressões, no dia 20 de dezembro de 2011:


Ele é historiador, poeta e Diretor do Museu Histórico de Sergipe; especialista em História Cultural pela Universidade Federal de Sergipe, sócio do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe e conquistou prêmio no “Concurso Nacional de Redação para Professores” promovido pela Academia Brasileira de Letras e Folha Dirigida, em 2003. Fui seu aluno, no Centro de Excelência Manoel Messias Feitosa, em 2006 e 2007. Encontrei Thiago Fragata nas redes sociais e fiz algumas perguntinhas, as respostas se acham destacadas na Revista Impressões abaixo, vale conferir.


REVISTA IMPRESSÕES - Você recebeu no último sábado, 17/12, o troféu Cidade Histórica, numa solenidade concorrida em que o Museu Histórico de Sergipe que você preside foi a única instituição cultural lembrada. Se não tiver enganado, este é o terceiro galardão que recebeste no último semestre do ano corrente. Bem, só é reconhecido quem tem serviços prestados. Dessa forma, pergunto a que se deve cada uma destas homenagens?


Sim, o troféu Cidade Histórica foi a terceira comenda recebida este ano. Sua indicação homenageia minha gestão enquanto diretor do Museu Histórico de Sergipe, instituição vinculada a Secretaria de Estado da Cultura que assumir em novembro de 2009.


Em 27 de setembro recebi uma outra honraria, do Grupo Cultural Peneirou Xerém. O Peneirou Xerém é um grupo de dança junino popular e respeitado em Aracaju que instituiu, em 2005, a comenda “Melhores do Ano” para homenagear entidades e pessoas que se destacaram no cenário cultural sergipano. Creio que eles descobriram meu nome por conta da repercussão da Comenda Mérito Ordem do Mérito Aperipê, recebida no dia 8 de julho. Essa terceira homenagem foi motivada pela minha atuação a coordenação da Comissão Pró-candidatura da Praça São Francisco a Patrimônio da Humanidade, entre 2008 e 2010, sem esquecer que sou co-autor do dossiê de inscrição da referida praça para o seleto grupo de bens chancelados pela UNESCO em todo o mundo.



REVISTA IMPRESSÕES - Presenciei o senhor atuando como professor de História, em Nossa Senhora da Glória, em 2007 e 2008, você mesclava ensino com arte, teatro e poesia. Era maravilhoso. Hoje o senhor é diretor do Museu Histórico de Sergipe e parece-me não é apenas mais um diretor de museu, com o birô distante do público e preocupado apenas em atender a burocracia. Você é versátil, inquieto e criativo, então pergunto: como é pensada a sua gestão, qual a meta a ser atingida?


Diferente dos setores ligado ao turismo não considero museu casa de visita de turista somente, que assim deveria funcionar em razão deste setor. Aqui em Sergipe a falta de bom senso, às vezes com o escarcéu da imprensa, propala a idéia de que museu deve funcionar a semana, fins de semana e feriados, todos os dias do ano, 24 horas! Na contramão disso, penso o museu de três formas: a) casa de visita: de turista, estudantes, pesquisadores, moradores da cidade, etc. Lembrando que nosso maior público é de estudantes do ensino médio das escolas públicas. b) casa de pesquisa: um lugar que as pessoas possam não apenas vê os objetos mas pesquisar sobre eles (o que significa ir além dos verbetes). Neste sentido, trabalhamos para abrir próximo ano uma sala de pesquisa a partir do acervo, das centenas de livros e documentos raros, também de imagens. O trabalho é árduo e depende do processo de inventariamento que se acha em andamento, é moroso pois a prioridade de toda equipe é o guiamento. Lembrando que o fluxo de visitas aumentou desde agosto de 2010, quando houve a conquista do título de Patrimônio da Humanidade pela Praça São Francisco, onde se localiza o Museu Histórico de Sergipe. c) Casa comunitária: lugar de efetivação de projetos e ações que possam atrair a comunidade de São Cristóvão tanto para conhecer o Museu Histórico de Sergipe quanto para participar de projetos, cursos, recitais, musicais, mostras de filmes. Considero o Círculo dos Ogãs um exemplo.


REVISTA IMPRESSÕES - De fato, assistir há algumas matérias da TV sobre museu fechado em feriados. O que o senhor tem a dizer sobre isso?


Já falei que para alguns setores, inclusive para a imprensa sergipana, a visão divulgada segue a tônica de ser um absurdo o museu se achar fechado em pleno feriado, ou seja, aqui museu não pode fechar no feriado. O que tenho a dizer sobre o fato. Em Sergipe, é unanimidade, o caso que envolve o turismo é permeado de senso comum. É mais ou menos assim: feriadão e a taxa de ocupação dos hotéis aracajuanos são de 80% ou 100% então o museu tem que funcionar, está é a concepção “museu como bazar de hotel”. Outro senso comum tacanho é o de “museu como urgência 24 horas”, funciona da seguinte forma: grupo de turista chega 8 horas da manhã ou 17 horas, aparece alguém para bradar é um absurdo o museu fechado etc, qualquer hora que isso ocorra é chamar a imprensa e pronto tá no ar o reclamo com o aceno geral. É preciso dizer, e não tenho medo, que museu é uma instituição cultural e assim tem horário de funcionamento definido e divulgado. Quem deseja visitá-lo tem que se informar antes acerca dos horários, dos dias e feriados que funciona, se meio ou expediente inteiro. Não é assim em todo canto, porque aqui se pensa diferente? Em Ouro Preto, por exemplo, os museus funcionam de 12:00 às 17:00 hs, ou seja meio-expediente. Não se pense que anseio por estabelecer meio-expediente mas em fixar calendário de funcionamento em 2012, mas qualquer mudança terá que passar pela anuência da Coordenadoria dos Museus, departamento da Secretaria de Estado da Cultura.



REVISTA IMPRESSÕES - Você coordenou a Comissão Pró-candidatura da Praça São Francisco a Patrimônio da Humanidade de forma brilhante, usando inclusive as novas tecnologias, contribuindo assim para a chancela concedida pela UNESCO em agosto de 2010. Todos esperam São Cristóvão se transformar em pólo turístico, isso ainda não aconteceu. Diante desta constatação pergunto: falta muito para que o título de Patrimônio da Humanidade possa ser revertido em turismo e benefícios para São Cristóvão?


Primeiro quero esclarecer que não sou advogado de defesa da cidade, nem gestor/prefeito, como alguns pensam, ou mesmo dono da Praça (risos).


Entendo a pressa, o pessimismo, São Cristóvão viveu um período conturbado entre 2006 e 2008. A cidade chegou a experimentou 5 prefeitos em um ano e o desarranjo político gerou miséria, dívidas e desencantamento. De forma que muitos acreditavam que a chancela da UNESCO conquistada representa a chegada de caminhões cheios de dólares para resolver os problemas da cidade, a solução de tudo. Os pessimistas se dividem, uns pensam: se conseguimos é porque não é lá grande coisa; outros: nem o título internacional consegue acabar com os problemas


Este ano visitei Ouro Preto (julho) e Salvador (setembro), chamei o passeio de Patrimônios da Humanidade Brasileiro. A capital de Minas Gerais recebeu o merecido título da UNESCO há 30 anos. O que anotei é que boa parte dos ouropretenses venderam suas residências para comerciantes e donos de pousadas, muita gente vive no interior ou na periferia; a obra de esgotamento sanitário no centro histórico se acha em andamento; museus funcionam meio expediente (12 às 17 hs). Os empregos gerados estão no comercio ou na cozinha e quarto dos hotéis. Será esta a Ouro Preto, pólo turístico, sonhada nas três décadas? Voltando para realidade de Sergipe é preciso fazer a mesma pergunta: que São Cristóvão, pólo de turismo, queremos? O fato da tal morosidade no progresso favorece a reflexão, sei que para alguns a discussão soa pessimista mas se o turismo figura como “fonte limpa de desenvolvimento, industria sem-chaminé”, a cautela pede um fórum público de discussão pois o turismo predatório, o turismo que gera lixo, o turismo sexual existe em outros lugares declarados Patrimônio da Humanidade.


Pra mim, a fase da propaganda e da campanha acabou. Chegou a hora de refletir, de planejar, dos gestores se apropriarem do “selo de qualidade ou honraria Patrimônio da Humanidade” e pleitear benefícios, dividendos, melhorias para Sergipe. O título Patrimônio da Humanidade é uma chave que pode abrir as portas do turismo internacional para Sergipe, mas é preciso estudar as portas, planejar e se preparar para as novidades existentes além da maçaneta.


REVISTA IMPRESSÕES - Você além de Historiador é poeta. Parece que tanto na produção acadêmica/científica quanto na poética/artística o tema São Cristóvão, sua cidade natal, é preponderante se não for o único. É isso mesmo ou existe um grande mal entendido?

Primeiro como poeta, depois como historiador, São Cristóvão foi, continua a ser o principal objeto do meu trabalho. Para mim não há nada de constrangedor em afirmar isso. O que não gosto é quando tomam o conjunto da minhas obras (textos e ações) como coisa de bairrista. Há toda uma carga de menosprezo, especialmente, por uma certa comunidade acadêmica que insiste numa tal imparcialidade e distanciamento do objeto de pesquisa que nunca aceitei, como não aceito a dita especialização do conhecimento. Com isso indico que não tenho São Cristóvão como objeto único da minha reflexão. Já disse que sou um pesquisador de gavetas, tenho uma para cada tema do meu universo de interesse, assim já publique sobre Guerra de Canudos, Serra de Itabaiana, Monteiro Lobato, Livros e Literatura, além da poesia. Para mim sou apenas um agente cultural de São Cristóvão e o que faço é trabalho engajado. E se aceito a pecha de bairrista é porque concordo com um sentido para o termo bairrista: cidadão que morando num lugar desenvolve relação afetiva, por isso conhece, procura conhecer e quer esse lugar cada vez melhor porque ali se acha a família e seus amigos. Enfim, considero-me apenas um cidadão engajado e apaixonado. Mas a paixão não significa declarar menosprezo a outros lugares, como Aracaju, Laranjeiras, Glória, Canindé, etc é assim que muitos entendem o que venha ser um bairrista. Sou um sergipano otimista.


quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Roda de Conversa com Salma Saddi

Goiás, Sergipe e a experiência de Patrimônio da Humanidade numa conversa com Salma Saddi

Neste sábado, 7/1. às 9h da manhã, na Casa do IPHAN em São Cristóvão, acontecerá a Roda de Conversa com Salma Saddi. A convidada atua na defesa do Patrimônio Cultural Brasileiro há muitos anos, foi co-autora do dossiê da candidatura da cidade de Goiás a Patrimônio Mundial pela UNESCO, título recebido há 10 anos. Na oportunidade, ela pretende compartilhar suas experiências de Educação Patrimonial com gestores e comunidade de São Cristóvão, cidade detentora do mais novo Patrimônio Mundial que é a Praça São Francisco.


Salma Saddi ocupa a cadeira nº 1 da Academia Feminina de Letras e Artes de Goiás. É membro do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS). Coordenou o processo de tombamento do conjunto art déco de Goiânia como Patrimônio Nacional. É sócia-fundadora da Associação Casa de Cora Coralina, membro da Organização Vilaboense de Artes e Tradições (OVAT) e da Fundação Educacional Frei Simão Dorvi.