domingo, 27 de abril de 2014

A TÚNICA III*


Túnica em discussão. Foto: Samuel Albuquerque, 2014


Samuel Albuquerque**

Na semana passada, dialogando com testemunhos legados por Serafim Santiago (1860-1932) e Gumersindo Bessa (1859-1913), lancei a hipótese de que a túnica oitocentista apresentada na exposição temporária “Nos passos do Senhor dos Passos” (aberta ao público no último dia 8 de março, no Museu de Arte Sacra de São Cristóvão) foi doada por Antonio Dias Coelho e Mello (1822-1904), o Barão da Estância, e não por João Gomes de Mello (1809-1890), o Barão de Maruim.

Conforme havia anunciado, passo a outros testemunhos que dão lastro à hipótese que defendo: o texto de memórias de Aurélia Dias Rollemberg (1863-1952) e o testamento do próprio Barão da Estância.

Dona Sinhá, como ficou conhecida a filha do Barão da Estância e viúva do político Gonçalo de Faro Rollemberg (1860-1927), registrou sobre a presença de sua família nas festividades religiosas da antiga capital de Sergipe: “(...) iamos com muitas saudades para S. Christovão, assistirmus a Procissão de Passos [e] S. Sancta, que eram mto bonitas e concorridas” (Rollemberg In: Albuquerque, 2005, p. 53, 56-57).

Em seu testamento, além de declarar-se “firme Catholico Apostolico Romano”, o Barão da Estância deixou uma pequena fortuna para o templo que abrigava a imagem que tanto cultuava. “Deixo a Igreja do Nosso Senhor Jesus dos Passos da Cide de S Christovão huma apolice de hum conto de re de juros a 5% pa com os juros d’esta apolice dever de huma Missa Cantada todos os annos no dia dezignado. Esta apolice ficará em poder do parocho da Freguesia, e qqr q seja o seo [ilegível] tendo o direito de cobrar os juros do anno pa o dia [da] Missa Cantada. Nao poderá em tempo algum passar a outro, e nem ser alienada, salvo se justificar q a Igreja precisa de reparos, e n’este caso poderá ser negociada” , registrou o devoto já moribundo (Barão da Estância, 1904, p. 3).

Outra vontade expressa no testamento do Barão da Estância era a de ser velado aos pés do Senhor dos Passos, sob a casa que ajudou a manter: “Se morrer aqui [em S Christovão] o meo corpo será levado a Igreja do Senhor dos Passos, e lá collocado em huma mesa forrada de preto, sem eça sem aparato algum. Encomendado simploriate plos Frades a São Francisco, será meo corpo conduzido plos meos amigos e parentes pa a Igreja do Colegio na onde serei sepultado” (Barão da Estância, 1904, p. 3-4). Sua vontade parece ter sido cumprida à risca e ainda hoje podemos encontrar a esquecida e maltratada lápide sepulcral do Barão da Estância e de outros membros de sua família (inclusive seus pais, irmãos e sua segunda consorte) no que foi a sacristia da Igreja Nossa Senhora da Guia do Colégio, nos arredores do povoado Nova Descoberta, em Itaporanga d’Ajuda. Aliás, é preciso que se registre o estado lastimável em que se encontram as lápides no interior daquele combalido templo, a despeito de ser ele um bem tombado pelo poder público federal e pertencer a descendentes diretos dos que ali jazem. 

Voltando à túnica em questão, uma fonte que registra sua origem é o depoimento concedido pela memorialista Maria Paiva Monteiro (1913-2004) ao historiador Magno Santos em dezembro de 2003. Considerada “a memória viva de São Cristóvão” (Santos, 2012, p. 12), a professora primária conhecida como dona Marinete era filha de um antigo tesoureiro da Ordem Terceira do Carmo, o senhor Horácio Pio Monteiro (1852-1924), e foi secretária da Associação Nossa Senhora do Carmo, entidade que, nos idos da década de 1970, assumiu muitas das atribuições dos terceiros do Carmo, inclusive a organização das procissões quaresmais. Dona Marinete preservou a memória de que o Barão da Estância teria mandado confeccionar aquela túnica na França, oferecendo-a ao Senhor dos Passos como prova de sua devoção (Santos, 31 out. 2012).

Sobre a memorável Marinete, registrou o historiador: “A trajetória de vida de dona Marinete esteve relacionada com a romaria dos Passos. Mais do que isso. Ela participou ativamente dos bastidores da celebração maior da cidade de São Cristóvão. Ofícios, arrumação das charolas, reuniões de comissões organizadoras, criação de associações, tudo isso ocorreu ao longo do século XX com a presença dessa devota. Prova disso foram as reuniões da década de 70 do século XX em que a devota se tornou testemunha da extinção da Ordem Terceira do Carmo e assumiu o cargo de secretária da nova Associação de leigos criada sob a tutela do arcebispo metropolitano de Aracaju, Dom Luciano Cabral Duarte. Desde a tenra infância dona Marinete esteve presente na vistosa procissão, pois ela era membro de uma família católica da cidade” (Santos, 2012, p. 3)

É preciso mencionar, inclusive, que o primeiro registro historiográfico do qual tenho notícia, tratando da referida túnica, remete ao estudioso das devoções cristovenses que, em fins de 2003, colheu duas longas entrevistas com dona Marinete. Baseando em depoimentos da memorialista, Magno Santos registrou: “A túnica doada pelo Barão da Estância não é mais usada, mas traz em si as marcas de devoção, como o desgaste do tecido em partes em que os romeiros tocavam. O tato devocional passou milhares de vezes pelo manto, em busca de bênçãos, deixando suor, lágrimas e preces. São algumas das facetas da devoção ao Senhor dos Passos, que conseguia unir em um mesmo percurso, sob o mesmo tecido um nobre e tantos flagelados da sociedade aristocrática e excludente de Sergipe oitocentista” (Santos, 2010, p. 164-165). 

Confesso também não acreditar que a finíssima túnica foi confeccionada na França. Considero provável que os materiais e a mão de obra utilizada sejam, realmente, de origem francesa. Contudo, penso estar no atelier de certa madame Laurant, modista francesa estabelecida à Rua do Ouvidor (centro do comércio de luxo no Rio de Janeiro oitocentista), a criação daquela peça.

Conforme os registros de memória de Aurélia Dias Rollemberg, desde fins da década de 1870, a família do Barão da Estância tomou parte no seleto grupo de clientes daquela modista, cujo concorrido atelier ficava sobre a famosa Confeitaria Paschoal, no número 128 da Ouvidor, esquina com Gonçalves Dias.

Madame Laurant aparece em vários momentos da narrativa de dona Sinhá. No primeiro deles, a memorialista registrou: “Ella era uma franceza q fallava o portuguez, delicada e optima modista. Morava com uma filha que ajudava e uma sobrinha professôra formada em musica” (Rollemberg In: Albuquerque, 2005, p. 67).

Na companhia da museóloga Ana Karina Rocha de Oliveira, especialista em coleções têxteis, examinei detidamente a veste em estudo, uma “túnica de veludo na cor roxa, manga comprida, decote em V acentuado, gola clerical e forrada com tafetá róseo em toda a sua extensão”. Entre os detalhes alcançados pelo experiente olhar da museóloga, chamaram a minha atenção os finíssimos elementos fitomorfos (flores e folhas) confeccionados em fita dourada que decora a gola, as mangas e a barra da peça. Contudo, outros elementos decorativos, como “estrelas bordadas em alto relevo com fio dourado e lantejoulas” (dispostas indiscriminadamente em toda a peça), foram aplicados à túnica ao longo dos anos em que ela foi usada nas procissões quaresmais, nublando a sua originalidade.

Em suma, baseado nos testemunhos históricos e no parecer técnico citado, aposto minhas fichas na hipótese de que a túnica do Senhor dos Passos, supostamente doada pelo Barão de Maruim, foi confeccionada no Rio de Janeiro, por uma modista francesa da Rua do Ouvidor, sob encomenda, na verdade, do Barão da Estância.

Mas, seja como for, é provável que os sentimentos que moveram a ação do devoto brasonado assemelhem-se aos que movem os milhares de romeiros que, no segundo domingo da Quaresma, tomam as ruas da antiga capital de Sergipe, renovando a sua fé, dando conta das graças alcançadas e pedindo a benção do Senhor que, certamente, não dissocia a luxuosa túnica de veludo da ordinária túnica cetim atirada sobre sua imagem ao final da Procissão do Encontro. (Fim)
 


*Publicado no JORNAL DA CIDADE. Aracaju, 27 e 28 de abril de 2014, p. 11.
**Professor da UFS e presidente do IHGSE. E-mail: samuel@ihgse.org.br

FONTES UTILIZADAS:
OLIVEIRA, Ana Karina Rocha de. “Descrição da ‘Túnica do século XIX doada pelo Barão de Maruim’, peça da exposição ‘Nos Passos do Senhor dos Passos’, aberta ao público em 8 de março de 2014, no Museu de Arte Sacra de São Cristóvão – MASC”. Aracaju, 30 mar. 2014 (Arquivo/Biblioteca Samuel Albuquerque).
ROLLEMBERG, Aurélia Dias. O documento. In: ALBUQUERQUE, Samuel Barros de Medeiros. “Memórias de Dona Sinhá”. Aracaju: Typografia Editorial, 2005. p. 47-123.
SANTOS, Magno Francisco de Jesus. Os últimos passos de uma devoção: indícios da religiosidade de um nobre sergipano oitocentista. “Historien – Revista de História”, Petrolina, v. 3, p. 149-167, 2010.
SANTOS, Magno Francisco de Jesus. Os sete passos da Paixão: patrimônio e memórias na romaria do Senhor dos Passos de Sergipe. “Anais do Congresso Internacional de História e Patrimônio Cultural”. Terezina: 2012. p. 1-13.
SANTOS, Magno Francisco de Jesus. Depoimento concedido ao autor. Aracaju, 31 de outubro de 2012.
TESTAMENTO do Barão da Estância. São Cristóvão, 1904. Arquivo Geral do Judiciário, fundo São Cristóvão/Cartório do 1º Ofício, caixa 11, número geral 77.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário sobre essa matéria.