sexta-feira, 4 de setembro de 2015

O legado do poeta onomástico Manoel Ferreira – II*

Manoel Ferreira e Leonel Brizola, 1982.


Thiago Fragata**
A voz grave e maviosa de Manoel Ferreira, exímio orador, encontrava a acústica perfeita nos conventos seculares e no antigo Palácio Provincial, atual Museu Histórico de Sergipe. Inúmeras plateias e comitivas foram surpreendidas por suas intervenções, que sempre eram substanciadas por versos, maioria de sua lavra. Irei tratar da sua oratória e da poeticidade.

No primeiro trimestre, quando deixou a direção do Museu Histórico de Sergipe, em 1971, o vice-presidente da gestão Garrastazu Médici: Augusto Rademaker chegou ao Estado em visita oficial. Em sua agenda, constava uma ida à ex-capital (São Cristóvão). Era unânime a opinião de que Manoel Ferreira era o cicerone ideal, porém ele não trabalhava na instituição cultural. Resumo, o governador veio até São Cristóvão no dia anterior rogar ao poeta uma recepção à altura da ocasião. Sobre o sucesso, basta informar que, semanas depois, o poeta integraria o quadro de pessoal do novo governo.

Augusto Rademaker era um militar linha dura, um dos figurões execráveis do triste período conhecido como Ditadura Militar. Infelizmente, muitos cidadãos brasileiros que se opuseram às vicissitudes da realidade política imposta foram perseguidos, torturados e mortos, com o aceno de militares como Rademaker. Sisudo, o militar chegou a exibir o riso num momento descontraído da palestra proferida por Manoel Ferreira.

Vendo a foto da recepção oferecida ao vice-presidente Augusto Rademaker, registro de 1971, guardada como relíquia no acervo familiar, recordo outra mais recente, de 1982, quando Manoel Ferreira, na condição de candidato ao governo de Sergipe pelo seu partido (PDT), recebeu Leonel Brizola, que peregrinou no Estado angariando votos para o seu distinto correligionário.

Memórias em confronto, dois encontros de Manoel Ferreira com políticos de ideologias opostas. Sua performance era impecável como anfitrião, cicerone de uma grandiloquência que emendava versos e oportunas passagens bíblicas. Teremos saudades do homem, da sua voz inconfundível. (1)

Batizei ele “poeta onomástico” pois seus versos brotavam diariamente, era uma necessidade básica. Também, seu mote inspirador era a data comemorativa, o santo ou a personalidade que iria encontrar no dia, o evento agendado ou visita surpresa. Por isso, muitos receberam suas poesias em dias de aniversário, casamento, formaturas, conquistas, chegadas, despedidas, ou inaugurações, enfim, momentos importantes que mereceram ganhar versos para ficarem eternizados por esses versos. Acrósticos, ele também cultivava essa arte que consiste em formar frases a partir das iniciais do nome do homenageado.

Impossível dizer quantos poemas e/ou acrósticos ele fez. Infelizmente, o vate prolífero nunca publicou livro. Dizia que “tudo precisava de uma boa revisão” ou que produzia apenas “versos simples”.

A oratória dele cativava plateias, e suas intervenções não constavam na programação dos eventos. Eram, de fato, maravilhosas intervenções. Uma posse, aniversário, batismo, missa; da multidão ecoava uma voz grave e aveludada, era ele quebrando o silêncio e/ou a modorra. Se ele convertia ouvintes? Não sei, mas o depoimento da professora universitária Maria Batista Lima Silva deve constar no tópico. Durante uma de suas palestras, no IV Círculo dos Ogãs, dia 30 de outubro de 2013, a pesquisadora das questões étnico-raciais revelou que decidiu estudar o tema depois que assistiu a uma intervenção que Manoel Ferreira Santos na distante década de 1990. “Foi no Convento do Carmo, ele encerrou recitando a poesia Deus Negro, de Neimar de Barros”. A poesia era uma de suas prediletas pois discorria sobre um tema que lhe era muito caro, o racismo. Ela tem 76 versos! (2)

Ao recitar uma obra de fôlego, com todos os versos, de forma irretocável, o poeta impressionava. Festejado em sua comunidade, especialmente, na comunidade estudantil do Colégio Estadual Senador Paulo Sarazate, foi convidado para compor o júri de uma gincana cultural nos idos de 1979. Na ocasião, a poetisa Maria Glória, na época, estudante do 7º ano, testemunhou mais uma façanha do memorioso. Ele percebeu que um jovem omitiu versos do “Navio Negreiro”, de Castro Alves; “mutilou o poema” justificou o exigente jurado. Detalhe: o poema em questão contém 240 versos! (3)

Eis um pouco do orador, do poeta onomástico, do agente cultural Manoel Ferreira. De fato, sua folha de serviços prestados ao município de São Cristóvão é extensa. Temendo que o legado se perca no completo esquecimento e omissão reclamada pelo padre Valtervan Correia Cruz, sugiro que entidades, como o Museu Histórico de Sergipe, organizem um evento, seminário ou roda de conversa para desvelar o homem e sua obra. Muitos diziam que o poeta onomástico era um homem a merecer estátua numa das praças da cidade que ele adotou como sua e tanto trabalhou para seu desenvolvimento. Em sua humildade cristã, Manoel Ferreira discordava de tamanho galardão. Vezes, desconversava ou silenciava, mas exultava com a boa opinião dos amigos(as). Também discordava: achava que ele merecia mais que isso. Aliás, este foi o tema inspirador de uma poesia ofertada no seu último aniversário:

Eis o vosso merecimento
o veredicto neste natalício:
estátua na praça!?
mas se festeja 93 anos, Manoel Ferreira,
a cidade é que tem sorte
pois o bronze negaria a estatura do teu porte
mesmo o ouro ocultaria o valor do teu caráter.

Amigo, o mármore seria frio demais para vossos pés
continuai assim um pensador orfão de Rodin
louvando o teu Senhor, rezando poesias
pois versículo é diminutivo da palavra verso.(4)


* Artigo publicado no jornal Tribuna Sergipe Del Rey. São Cristóvão. N. 4, setembro 2015, p. 4.

**Thiago Fragata é poeta e historiador. Email: thiagofragata@gmail.com

NOTAS DA PESQUISA
1 - Entrevistas com Manoel Ferreira Santos. São Cristóvão, 14 de outubro 2014.
2 - Depoimento de Maria Batista Silva, São Cristóvão. 30 de Outubro de 2013.
3 - Depoimento de Maria Gloria Santos, São Cristóvão. 10 de Julho de 2015.
4 - Manoel Ferreira Santos, poesia de Thiago Fragata. Inédita.
Crédito da Imagem: Leonel Brizola e Manoel Ferreira Santos. Folheto da candidatura deste ao Governo do Estado, 1982.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário sobre essa matéria.