sexta-feira, 6 de novembro de 2009

São Cristóvão realiza Conferência Municipal de Cultura

Aglaé Fontes explica a proposta da conferência

“Um homem não vive sem ideais, e uma cidade não pode crescer sem estes ideais”. Foram as palavras entusiasmadas da professora Aglaé Fontes, Secretária de Cultura de São Cristóvão e um ícone na cultura sergipana, na Conferência Municipal de Cultura de São Cristóvão, que aconteceu sexta-feira, 30, na cidade.

O encontro que reuniu vários artistas e produtores culturais da cidade buscou sensibilizar os cidadãos são-cristovenses de que eles são os principais responsáveis para a consolidação de São Cristóvão como um patrimônio cultural da humanidade, além de prepará-los para a Conferência Estadual de Cultura que acontece nos dias 3 e 4 de dezembro.

Aglaé Fontes explica que delimitou cinco grupos de trabalho para melhor discutir os temas abordados pela conferência que soa Economia da Cultura; Cidadania e Cultura Simbóloca. “Definimos cinco grupos de trabalho que tratam de Produção Simbólica; Cultura, Cidade e Cidadania; Cultura e Desenvolvimento Sustentável; Cultura e Economia Criativa e Gestão Institucional da Cultura, para, a partir deles, construirmos uma política cultural eficaz e que alcance a toda a população de São Cristóvão”, assegurou.

Para a Secretária de Estado da Cultura, Eloísa Galdino, as conferências representam um passo importante para a consolidação das políticas públicas que estão sendo discutidas nacionalmente, sendo uma etapa fundamental para conduzir Sergipe à Conferência Nacional. “O que o Governo de Sergipe, através da Secretaria de Estado da Cultura está fazendo no momento em que apóia estas conferências municipais, é justamente estimar os municípios para que eles realizem suas conferências e elaborem seus planos municipais de cultura, e para que criem inclusive ferramentas de gestão importantes, como fundos municipais de cultura”, explicou. Outro ponto destacado pela secretária é a importância que as conferências municipais têm para selecionar os delegados que farão parte das comissões estadual e nacional. “A partir destas conferências nós teremos a retirada de delegados para a etapa estadual, que acontece em dezembro, e a nacional, que acontece em março. Então, este é o convite que o poder público faz para que os agentes e produtores culturais possam nos ajudar na condução da política cultual de Sergipe”, enfatizou Eloísa Galdino.

São Cristóvão é a 4º cidade mais antiga do Brasil e tem um rico acervo histórico, e cultural para ser mostrados, são 419 anos de história retratados nas ruas, prédios e no povo desta cidade. Thiago Fragata, diretor do Museu Histórico de Sergipe, afirma que a é muito importante para a cidade mandar um representante para Brasília e lutar por vaga na conferência estadual, pois o município se manterá ainda mais centrado no que diz respeito ao título de Patrimônio Histórico da Humanidade.

“São Cristóvão é um pólo com enorme potencial cultural, seja na arquitetura, folclore, artesanato, artes plásticas, dentre outros. Portanto, as pessoas que fazem a cena cultural do município não podem estar de fora deste processo, principalmente por São Cristóvão ser candidata a Patrimônio da humanidade e precisa estar bem representada”, ressaltou.

Já Jorge dos Santos, líder do tradicional grupo das Taieras da cidade, defende que é preciso proporcionar este conhecimento ao povo são-cristovense para que possa valorizar ainda mais sua cidade. “O povo de São Cristóvão precisa aprender que mora em uma cidade histórica e admirar e respeitar cada vez mais isso. Adquirir conhecimento é a melhor forma de poder passar nossa cultura para as outras gerações e até para as pessoas que visitam nossa cidade”, finalizou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário sobre essa matéria.