terça-feira, 16 de agosto de 2011

Oficina de pífano dá início ao 'Agosto Para Todos'

Alunos atentos pretendem contribuir na manutenção da tradição do pífe

Monique de Sá, da Ascom/Secult

É com o barulhinho intenso e estridente do pífano que a Secretaria de Estado da Cultura (Secult) dá início à programação do ‘Agosto Para Todos’. Afinal na manhã desta segunda-feira, 15, a primeira atividade da semana em que se comemora o folclore teve início com a oficina ‘Conhecendo e fazendo pífano’. As aulas, realizadas no Museu Histórico de Sergipe (MHS) em São Cristóvão, estão sendo ministradas pelo oficineiro Edmar Santos.

Além de resgatar as tradições populares, a oficina tem como objetivo trazer qualificação na área da cultura popular. Com uma programação vasta, o ‘Agosto Para todos’ trará atividades diversificadas não apenas em São Cristóvão, mas também na capital e em Laranjeiras. Ainda na tarde desta segunda, outra oficina será realizada: ‘Xilogravura’. Debates, palestras, mostras culturais e um grande cortejo folclórico fazem parte da programação.

De acordo com o músico e professor Edmar Santos, o instrumento que muito se assemelha a um flautim será confeccionado pelos próprios alunos neste primeiro dia de oficina. Edmar ainda conta que um resgate histórico dos grupos de pífanos do estado também será levado para a aprendizagem dos participantes. “Para confeccionar os instrumentos utilizaremos cano e fita adesiva. Além disso, vamos falar sobre a história de alguns grupos de pífano para mantermos nossa tradição e despertar nestes jovens o interesse pela música”, adiantou Edmar.

Filho do Mestre Euclides do Treme – Terra, Edmar é tocador de pífanos na banda Pilão de Pif e convive com a cultura popular desde sua infância. Para ele, cursos que incentivem o conhecimento de um instrumento tão característico do estado servem como incentivo para a manutenção da nossa cultura. “A partir do momento que uma criança começa a produzir um som, ela se sente motivada e passa a ter mais interesse pela música. Esta é uma forma sim de mantermos nossa tradição”, destacou o músico.

Alunos interessados

Com os olhinhos bem atentos, os inscritos na oficina não perderam um detalhe da explicação do professor Edmar. Formado por adolescentes de 12 a 18 anos, o grupo mostrou seu interesse pela aprendizagem do pífano, como também sua admiração pela música popular.
Everton Damasceno Cruz, 14 anos, é um desses alunos. Segundo ele, Edmar já tinha sido seu professor numa oficina de flautas, por isso espera que esta nova oficina seja tão boa quanto a anterior. “Eu adoro música por isso resolvi participar. Ouvi o som do pífano numa vez que estive em Aracaju e gostei muito do barulhinho”, falou animado Everton.

Também ansiosa para a oficina, a são cristovense Tainara Conceição dos Santos disse que adora o som do pífano, mas não sabe nada sobre o instrumento. Com 12 anos ela afirma que desde os 10 anos toca teclado. “O que mais gosto na música é o ritmo, por isso estou com muita expectativa para essa oficina. Pretendo um dia me profissionalizar na área da música”, animou-se a garota.

Pífano

Instrumento cilíndrico com sete orifícios, o pífano pode ser feito com muito materiais, como: bambu, taboca, osso e até cano de PVC – como foi feito na oficina do professor Edmar. No Brasil este instrumento é característico da região nordeste, onde o instrumento faz parte da cultura popular.

Agosto Para Todos

Realizado pela Secult e executado com recursos do Fundo Estadual de Desenvolvimento Cultural e Artístico (Funcart), o ‘Agosto Para Todos’ é uma ação que contempla os grupos folclóricos sergipanos, preservando a riqueza cultural do nosso estado. Com início nesta segunda, 15, o evento segue até a próxima segunda-feira, 22. Palestras, discussões, debates e um grandioso cortejo folclórico fazem parte da programação deste ano que traz uma novidade, as oficinas realizadas em São Cristóvão e em Aracaju.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário sobre essa matéria.